Provas obtidas por guarda municipal em investigação deflagrada por denúncia anônima são consideradas inválidas pelo STJ

A 6ª Turma do STJ decidiu, por unanimidade, que as provas na investigação conduzida por guardas municipais após a denúncia anônima, estavam além do escopo flagrante e eram eram. Dessa forma, os ministros rejeitaram o recurso do Ministério Público que exigia a restauração da sentença do condenado por tráfico de drogas e sustentava que as provas são válidas. Segundo o relator do caso, ministro Nefi Cordeiro, “os guardas municipais passadoam atividade de investigação, o que, consoante o artigo 144, parágrafo 8º, da Constituição Federal, não lhes competem. Assim, não podem ser consideradas lícitas como provas da prova da busca “.

Fonte STJ.